Mau tempo: Chuvas de Dezembro custaram mais de 80 milhões ao Estado

Lisboa, 08 Jan (Lusa) - Os prejuízos causados ao Estado e autarquias pelo mau tempo no final de Dezembro chegam aos 80,1 milhões de euros, a que se juntam ainda os custos privados e os apoios à recuperação das zonas afectadas. De acordo com as informações recolhidas pela Agência Lusa, a zona mais afectada foi o Oeste de Lisboa, onde o mau tempo causou prejuízos na ordem dos 63 milhões de euros, segundo as estimativas dos municípios.

O concelho de Torres Vedras foi o mais atingido, sofrendo um rasto de destruição, sobretudo no sector agrícola, com estufas deitadas ao chão ou parcialmente destruídas, pondo em causa a economia da fileira hortícola. 600 agricultores foram afectados e um milhar de postos de trabalho foram, de alguma forma, atingidos, uma vez que 90 por cento dos 600 hectares de estufas sofreram os perigos da intempérie.Só na última semana de Dezembro, a Autoridade Nacional de Protecção Civil recebeu 2.615 ocorrências, a maioria das quais (622) no distrito de Lisboa. Do total de ocorrências, mais de mil referem-se a inundações.

No Grande Porto, os prejuízos foram avaliados em cerca de 3,7 milhões de euros, principalmente na zona de Gondomar, onde as chuvas fortes causaram perdas de 3,5 milhões de euros, de acordo com os "primeiros e muito provisórios" cálculos da autarquia.

No Alentejo, o mau tempo das últimas semanas afectou vários concelhos, com destaque para Ourique, onde os prejuízos estão contabilizados em "quase um milhão de euros", de acordo com o presidente da autarquia. Pedro do Carmo explicou à Lusa que, entre outras consequências, as chuvadas danificaram uma das principais condutas que abastece o depósito de distribuição de água e provocaram estragos em estradas municipais, elevando a factura da reparação para cerca de 700 mil euros.

Em Sines, a câmara terá de suportar um gasto de 110 mil euros na substituição do telhado do Pavilhão Municipal de Desportos.

Na zona de Leiria, o mau tempo causou, só no dia 23 de Dezembro, prejuízos de 2,4 milhões de euros. Entre os concelhos mais afectados estão os de Peniche e Óbidos, com perdas de um milhão de euros em cada um, e o Bombarral, onde as perdas quase chegam aos 500 mil euros.

Nas regiões autónomas, o destaque vai para os Açores, onde as chuvas do final de 2009 causaram um prejuízo de 10 milhões de euros, de acordo com as estimativas do Governo regional. Esta verba inclui intervenções em infra-estruturas como pontes e estradas, e também o reordenamento das ribeiras, realojamentos habitacionais e ajuda para a aquisição de equipamentos domésticos. Ainda assim, o mau tempo não trouxe más notícias para todos.

Na Guarda, as chuvadas foram encaradas como "mel sobre filhoses", de acordo com o presidente da Associação Distrital de Agricultores da Guarda, António Machado. "Os animais já não tinham nada para comer e estavam a ser alimentados a palha porque os agricultores já não tinham rendimentos para comprar rações", acrescentou, concluindo que os agricultores desta região "não têm razões para se queixarem, antes pelo contrário".


MBA

Lusa/Fim

Comentários

Mensagens populares deste blogue

7º Encontro de Utilizadores ESRI

Bolsas de Investigação